“A Segurança Alimentar está diretamente associada a qualidade do produto oferecido, pois é através dele que se oferece produtos com boa qualidade, nutritivos e saudáveis que não oferecem risco aos consumidores.”

Implementar um sistema de segurança alimentar e seguir à risca as suas orientações e controlos só traz vantagens para as empresas. São diversos os benefícios que uma empresa adquire ao seguir corretamente os procedimentos de segurança alimentar. Cuidar da integridade dos alimentos é fundamental para garantir o sucesso do negócio.

Na minha opinião, como técnica superior de segurança alimentar, e segundo a minha experiência, os negócios que mais se alinham com uma correta segurança alimentar, e toda a sua envolvente, tem uma melhoria significativa em todas as áreas de negócio.

Neste artigo partilho as 5 melhorias que já consegui comprovar com a implementação e uma correta segurança alimentar:

1. Aperfeiçoamento da produção

As empresas que implementam e seguem a risca as questões de segurança alimentar produzem mais e melhor. Quando falamos de segurança alimentar, falamos de diversos processos como a receção dos produtos, armazenagem, boas práticas de higiene e manipulação dos alimentos. É importante que este controle seja realizado adequadamente para evitar ações que possam comprometer a produtividade da equipa e a imagem da empresa.

2. Condições de trabalho eficientes

Quando falamos de condições de trabalho eficientes falamos de segurança no trabalho. É um facto. É da responsabilidade das entidades empregadores darem condições de trabalho eficientes aos seus trabalhadores. Nas empresas alimentares, a segurança no trabalho e a segurança alimentar andam de mãos dadas.  Na segurança alimentar defendemos que a entidade empregadora deve dar formação a toda a equipa e condições eficientes para que essa equipa consiga produzir eficazmente. A segurança no trabalho na área alimentar defende que a entidade deve ter instalações em bom estado de conservação e higiene, ter vestuários com cacifos e instalações sanitárias para os trabalhadores, fornecer fardamento completo, calçado e equipamento de proteção individual necessário às funções e tarefas de cada trabalhador.

A segurança alimentar, em simbiose, com a segurança no trabalho defendem que a entidade empregadora tem o dever de zelar de forma contínua e permanente, pelo exercício das atividades e funções em condições de segurança e saúde a todos os trabalhadores, tendo sempre em conta os princípios gerais de prevenção. E importante nunca esquecer de respeitar as pausas de serviço, assim como, em caso de doença o trabalhador não deve trabalhar só podendo retomar ao trabalho quando apresentar condições de boa saúde.

3. Negócio mais sustentável – redução do desperdício de alimentos

Para um negócio mais sustentável, o primeiro passo é consciencializar toda a equipa para o maior aproveitamento de toda a matéria-prima e cuidados a ter com o meio ambiente. Saber respeitar o ambiente, é respeitar os alimentos e por consequente é respeitar a saúde publica. Este respeito consegue-se através da segurança alimentar. Sendo esta um elemento presente desde a escolha do fornecedor e dos produtos alimentares até ao produto final. Um exemplo muito prático é: um trabalhador que seja responsável por realizar as compras dos produtos alimentares e material necessário para a atividade deve ter em atenção ao adquirir somente os produtos necessários e optar pela quantidade certa em determinados períodos (época alta e época baixa). Além de não comprar produtos desnecessários, o processo de armazenamento fica mais leve e fácil de controlar os prazos de validade dos seus produtos. Assim, a redução do “descarte” de produtos que não serão consumidos pela data de validade vencida é menor, e evitamos o desperdício alimentar e do dinheiro investido nesses produtos.

No site podem encontrar mais artigos que abordam o desperdício alimentar e a sustentabilidade.

4. Cumprimento da lei

É muito importante, eu diria até de extrema importância que as empresas (empregadores e trabalhadores) cumprem as regras, as normas e a legislação em vigor. Todos os profissionais que trabalham diariamente e diretamente com a manipulação de alimentos precisam de ter total conhecimento das regras e das práticas de higienização dos alimentos e a manutenção das instalações onde os produtos são preparados e confecionados. E claro, a higiene pessoal é fundamental. Só assim os riscos de contaminação em geral são reduzidos e a empresa estará atuando em conformidade com a legislação em vigor. Outro ponto muito importante é a formação continua dos trabalhadores. É muito importante que os trabalhadores tenham formação e tenham conhecido das leis, dos processos de manipulação e das boas práticas de higiene. 

Aliás, por lei, todo o trabalhador da área alimentar tem de ter formação anual.

Para mais informações sobre a legislação, manipulação e higienização encontra disponível no nosso site.

5. Entrega de produtos com qualidade

Entregar ao cliente um produto que reúne todas as condições de qualidade é a chave para qualquer negócio ir bem. E quem é que pode ajudar neste processo? Ter um técnico de segurança alimentar é uma peça fundamental para se garantir a segurança alimentar nas empresas. Afinal, o técnico tem o conhecimento necessário para garantir a integridade dos alimentos, tem conhecimento dos processos, das normas e leis envolventes na área, assim como verificar e controlar o trabalho dos trabalhadores. 

Desta forma, a empresa correrá menos riscos de oferecer produtos fora do padrão de qualidade exigido. Não importa o tamanho da empresa, seja ela de pequena ou grande dimensão, é fundamental contar com este profissional para garantir a qualidade e integridade dos alimentos em todo o processo de produção, desde a receção de matéria-prima até ao produto final. Um factor também importante, é a conservação dos nutrientes nos alimentos armazenados e produzidos. E aqui, volto a reforçar a importância da formação. Para se garantir que os nutrientes presentes nos alimentos se mantenham é necessário ter conhecimento da relação do tempo de cozimento, volume e temperatura utilizada na sua confeção. A formação dos trabalhadores, e neste caso, aos cozinheiros e chefes de cozinha é importante.

No site podem encontrar mais artigos que abordam o desperdício alimentar e a sustentabilidade.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.